quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Aberrações dos Conselhos de Psicologias, a cada dia menos ciência séria e mais política esquerdista e sofística do homossexualismo! Depois desta loucura e iniquidade, virá a luta pela pedofilia (intimidade inter-geracional) e o incesto. Um abismo chama outro abismo!


Para psicólogos, transexualismo não é doença

CAROLINA DE ANDRADE
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


A visão do transexualismo como doença é controversa. Uma ação mundial tenta retirá-lo dos manuais de doenças da OMS e da Associação Americana de Psiquiatria.


A campanha "Stop Trans Patologization" ["Parem de patologizar os trans"] tem o apoio, aqui, do Conselho Federal de Psicologia. Segundo a psicóloga Ana Ferri de Barros, que coordena a comissão de sexualidade e gênero do conselho paulista, o acesso à cirurgia de mudança de sexo pelo SUS não deveria depender do diagnóstico.

"Defendemos a despatologização das identidades 'trans' e também o acesso universal à saúde", diz.

É também a posição da cientista social Berenice Bento, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. "Não há exame que ateste a transexualidade [termo usado por quem é contra a patologização]."

Para Bento, gênero é construção social e o diagnóstico do transtorno na infância, absurdo: "Quem precisa de tratamento são os pais".

Já na visão do psicanalista Roberto Graña, o transtorno deve ser tratado como uma perturbação no desenvolvimento. Ele considera o transexualismo uma recusa em aceitar o real, o sexo biológico e, portanto, uma doença. Diz ainda que tratamentos hormonais são inúteis e perigosos na juventude.

A psicanalista e colunista da Folha Anna Veronica Mautner afirma ser "muito difícil" estabelecer limites entre as origens do distúrbio, hormonais, comportamentais ou de outra ordem. "Cada caso é um caso."

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1187740-para-psicologos-transexualismo-nao-e-doenca.shtml




Divulgação:


Nenhum comentário:

Postar um comentário